sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

DESEJO AO EXTREMO

Desejo ao Extremo
(Foto Duarte S.)

De repente meu quarto fica pequeno,
As paredes se comprimem em minha direção,
O dia amanhece mas ainda é escuro,
E as lâmpadas da rua estão acesas.

Tive um sonho ruim de desespero,
Onde ouvia tua voz distante a me chamar,
Acordei de sobressalto sentindo teu cheiro
E o calor do teu corpo ardendo em febre.

Senti teu suor e um suspiro, o teu chamado
Estava no ar e quis te abraçar, meu travesseiro
Era o teu corpo, e o teu cheiro meu perfume,
Teu calor era o meu e a febre, intenso desejo.

Ligo o chuveiro e a água quente, o teu toque
Que desliza pelo meu corpo e se arrepia
Sentindo teu corpo por fora e por dentro,
Deslizando sobre mim, ágil como sabonete.

Quero inteiro, todo e ao máximo,
Que tome para si toda minha doçura,
A maciez e calor que te ofereço,
Imploro: toma-me por sua.
Rose Chiossi 07/08/2008

4 comentários:

Malu disse...

Súplica ardente. O desejo se traduz neste poema tão bem tecido. Amei, Primma Dona. Bjus!

Malu disse...

Amote!

Rose Chiossi disse...

Nossa! Agora tu me pegou de surpresa, não percebi que tinha postado essa. ADOREI!

Beijo mestra!

Gleidi disse...

Lindo, belíssimo poema, Rose...
Adorei!
Meu beijo a todas as "Evas" e suas faces...